domingo, 13 de novembro de 2011

Mangueira de canela

Deixem que vos diga que tenho um especial apreço por homens de farda,entao se forem bombeiros tiram-me completamente do sério.
Nao consigo explicar o porquê,mas só sei que mal avisto aquela indumentaria vermelha e azul,me sobe um calor pelas pernas que só me apetece agarrar na mangueira.
Como sou uma puta com sorte,no café onde todos os dias de manha passo,também o Bruno,bombeiro de profissao ,resolve tomar o seu belo cafezito matinal.
Quando o vi pela primeira ve,logo me chamou a atençao,nao bastava ser bombeiro,também tinha que ser lindo de morrer.
Bruno tinha um porte atlético e aquele ar quente e com sabor a canela,que só os mulatos sabem ter.Para completar o bouquet,ainda tinha o displante de nos olhar de alto a baixo,com aqueles olhos de felino,cor de mel.
Mal lhe pus a vista em cima,decidi no meu íntimo que teria que o ter a qualquer custo.Havia de provar aquela boca e sentir aquelas maos a percorrer o meu corpo.
Todos os dias o via,sempre a mesma hora e fazia questao de lhe mostrar que nao me era indiferente. a distancia entre nós foi-se encurtando e um dia ficamos lado a lado e a conversa surgiu. Como te chamas, o que fazes...etc. Batida como sou,tratei logo de lhe dizer que me atraía ;porque nao sou mulher de perder tempo.Bruno quase se engasgou com o café e disse:
-Meu deus! Nao esperava que fosses tao directa!
Eu respondi:
-Bruno,nao estamos aqui para perder tempo.Eu quero e tu também me pareces querer,ou estarei enganada?
Bruno respondeu:
-Nao,nada disso,mas nao estou habituado a que mulheres tomem a iniciativa.
-Pois eu tomo! Como é? Vais convidar-me a visitar o quartel ou nem por isso?
Bruno pegou-me pelo braço e saí-mos a correr. O quartel era perto,pelo que fomos a pé.Subimos uma escada a entrada e conduziu-me a uma sala meio escura,que presumo funcionar como arrecadaçao. Puxou de um colchao velho e deitou-me nele.
Enquanto me beijava a boca,as suas maos escorregavam pelas minhas pernas,até a minha cona húmida e a arder de desejo.
Fodeu-me com os dedos,levou-os a minha boca e disse:
-Deixa-me sentir o gosto da tua cona na tua boca.
E assim fez,beijou-me longamente para sentir o meu sabor. Enquanto isso, desapertei-lhe as calças e tirei-lhe o caralho para fora. Sem mais delongas engoli-o todo de uma só vez, fazendo com que Bruno tivesse um arrepio. agarrou-me na cabeça e obrigou-me a mamar nele vezes e vezes sem conta. Quando se sentiu satisfeito,levantou-me,encostou-me a parede,virou-me de costas e enterrou-o na minha cona a bruta. O que me fez gritar de dor e de prazer.
Puxava-me os cabelos,chamava-me de puta,tapava-me a boca e dizia:
-Cadela! És uma cadela com o cio! Eu vou tirar-te essa tesao toda do corpo,puta!
E fodia-me sem parar.
Eu estava doida de tesao.Em seguida,parou de me foder e veio lamber-me a cona até me fazer vir na sua boca. Depois ,voltou a enfiar-me o caralho na cona,passou novamente para a boca e finalmente disse:
-Agora vou dedicar-me a esse cú sua vadia!
E assim fez,enterrou-me o caralho no cú de tal forma que soltei um grito de dor. Bruno nao pareceu importar-se,tapou-me a boca e disse:
-Nao penses que vou ter pena de ti,sua puta,vou-te partir esse cú todinho que é o que tu mereces!
E fodia-me como um doido.Enquanto me comia o cú,com a sua mao acariciava a minha cona. Fez-me vir,nao sei quantas vezes.
Quando se sentiu satisfeito,sacou do caralho para fora e esporrou-se todo na minha boca. Finalmente largou-me e disse:
-Esta é para nao teres a mania de ser atrevida sua puta. E saiu porta fora.
Foda-se foi das melhores fodas que ja tive. O belo do Bruno e a sua mangueira de canela.

5 comentários:

  1. Apresenta te a mim....
    Casada

    omeusegredo79.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Dificil encontrar mulheres que aceitem porra na boca aqui pelo Brasil, gostar é ainda mais dificil.
    Otimo texto, como sempre.

    ResponderEliminar